"Flores de Musica (1620)" apresentada em Mafra

Aquela que é mais antiga partitura impressa em Portugal, que colige peças para instrumentos de tecla (órgão e cravo) e harpa, tem uma nova edição, que foi apresentada em Mafra, território que é símbolo da cultura organística pelos seus instrumentos históricos.

A nova edição de “Flores de Musica (1620)”, de Manuel Rodrigues Coelho, reflete o conhecimento adquirido ao longo das últimas décadas sobre este compositor português, permitindo tornar acessível uma obra que há muito estava esgotada.

Com edição de João Vaz e colaboração de André Ferreira e Sérgio Silva, a publicação é dividida em três volumes, sendo o primeiro agora levado à estampa e prevendo-se que o último seja lançado no final de 2020, assinalando 400 anos da publicação original.

“Flores de Musica (1620)” surge no âmbito da ECHOM (ECHO Collection of Historical Organ Music), um projeto da ECHO (European Cities of Historical Organs), rede da qual Mafra faz parte desde 2014. A coleção, com edição geral de Jean Ferrard, prevê a publicação de partituras para órgão, apresentadas pelos diferentes membros da ECHO, numa série de dez volumes, envolvendo manuscritos completos, jamais impressos ou esgotados.

Na apresentação desta nova publicação, que se realizou na Igreja de Santo André, em Mafra, estiveram presentes o Presidente da Câmara Municipal de Mafra, Hélder Sousa Silva, o editor geral da ECHOM, Jean Ferrard, assim como João Vaz, André Ferreira e Sérgio Silva, que interpretaram três tentos de Manuel Rodrigues incluídos neste volume.

Nesta ocasião, o edil destacou as principais iniciativas promovidas pelo Município de Mafra no âmbito da sua participação na ECHO, destacando o Festival Internacional de Órgão (cuja terceira edição se realiza de 27 de abril a 12 de maio), a edição de publicações (tais como “Órgãos Históricos de Mafra”) e a aposta na formação (a exemplo da realização de masterclasses e workshops dirigidos a jovens organistas).

"Flores de Musica (1620)" apresentada em Mafra